Lazaróides

por Andreza Taglietti

 

Bruno ainda não estava preparado para Lazarus. Chorava a morte do irmão. Do pai. Da mãe. De alguns amigos. A distância da filha. O abandono. A orfandade. A solidão. O luto.

Marco, o irmão. Nível 3 da Escala de Coma de Glasgow. Movimentos involuntários. Lazaróides. You know, I will be free. Just like that blue bird. O Bowie estava vivo. No MIS. Havia Lazaróides. Sempre houve. Mas ainda não havia Lazarus.  Ninguém estava preparado para Lazarus. Fucking Bowie. Também me abandonou.

Marco foi cremado com poesia. Em francês. Recitada pelas filhas Marcela e Valentina no Horto da Paz. Aquela que Bruno nunca sentiu. Ele só conseguia lembrar da viagem a Viena com o irmão e com o pai. A nostalgia é mais deformadora que a morte. Lazarus pode ser belo. E a poesia pode ser cinza.

Orquestra Filarmônica de Viena. Os três reunidos pela última vez. Marco passaria dois anos na cidade. Trabalho. Bruno e o pai voltariam para o Brasil no dia seguinte. Um jantar. Duas garrafas de vinho. Eu abandonei a mãe de vocês na Itália. Não, ela não estava morta quando partimos de Rimini naquele ano. Vocês eram muito pequenos. Não entenderiam minha decisão. Paola morreu anos depois. E nos deixou Isabela. Uma filha que nunca conheci. Uma irmã à espera de irmãos.

Marco não perdoou o pai. Pela mentira. Pelo sofrimento. Dele e da mãe. Pela frieza. Pelo egoísmo. Por ter se tornado a mãe de Bruno. Pela não-infância. Pelo não-afeto. Por acreditar que o viúvo Nicola bebia-e-batia-e-bebia-e-batia por ser viúvo. Por almoçar e jantar sopa fria, gritos e agressões. Como será que é ter uma mãe? Toda criança tem o direito de ter uma mãe, porra. A vida por um mingau de Paola. Com direito à maisena, aveia, achocolatado, canela.

Cinco. Cinco anos se passaram entre a morte de Nicola e a descoberta da doença de Marco. Como não viu isso antes. O pai estava ali, vivo, em Marco. Cercado por Lazaróides. Mas o enfermo era Bruno.

Uma passagem só de ida, por favor. Ah, posso escolher meu assento? Tanto faz. Desde que não seja com vista para um mar de impossibilidades.

Deixe um comentário

Filed under Andreza Taglietti, autores

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s